27Aug 14

Confiança da indústria recua 1,2% em agosto, a oitava seguida, diz FGV

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 1,2% em agosto ante julho, passando de 84,4 para 83,4 pontos, informou nesta quarta-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com a oitava queda consecutiva, o índice permanece no menor nível desde abril de 2009. 
 
A queda do ICI na margem se deve principalmente à piora das avaliações dos empresários sobre o presente. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 3,6%, para 82,7 pontos, o menor nível desde março de 2009. Já o Índice de Expectativas (IE) registrou a primeira melhora no ano, com alta de 1,4% para, 84,1 pontos.
 
A maior contribuição para a queda do ISA veio do item que aponta as percepções em relação ao ambiente de negócios. O indicador de situação atual dos negócios recuou 7,1% entre julho e agosto, de 84,8 para 78,8 pontos. A proporção de empresas que consideram a situação atual boa caiu de 10,8% para 8,1%, ao passo que a parcela de empresas que a avaliam como fraca aumentou de 26,0% para 29,3%.
 
No IE, a principal influência de alta foi do indicador de produção prevista. O item registrou avanço de 4,6% em agosto ante julho. Houve ligeiro aumento na proporção de empresas que preveem aumentar a produção nos três meses seguintes, de 27,6% para 27,8%, e retração da parcela das que esperam diminuir a produção, de 20,8% para 16,1%. Em contrapartida, o indicador de situação futura dos negócios registra em agosto sua sexta queda consecutiva. A proporção de empresas prevendo melhora da situação dos negócios nos seis meses seguintes aumentou de 25,6% para 30,0% entre julho e agosto, mas a das que preveem piora aumentou ainda mais, de 20,2% para 26,5%.
 
A FGV também informou que entre julho e agosto o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) manteve-se estável, em 83,2%.
 
Segundo a FGV, a leve melhora das expectativas em relação aos próximos meses não é o bastante para sinalizar uma inversão da tendência de queda registrada neste ano. "As previsões tornaram-se mais favoráveis para a produção, com a normalização do número de dias úteis após o fim da Copa, mas, no horizonte de seis meses, o pessimismo continua aumentando", diz Aloisio Campelo Jr., superintendente adjunto de ciclos econômicos da FGV/IBRE.
Nenhum comentário foi encontrado para esta notícia.




Fale conosco!

Acompanhe todas as novidades do mundo da contabilidade.

Seu e-mail não será utilizado para envio de spam. Para mais informações, leia POLÍTICA DE PRIVACIDADE.

Vídeos

Veja mais vídeos acessando aqui através do nosso canal no YouTube.

Acessar Sistema

Fopag

2013 | Mirim Contábil | Assessoria e Consultoria
Desenvolvimento: Valore Marketing