04Nov 14

Após 7ª queda seguida, emprego na indústria deve fechar o ano com retração.

Fonte: ISTO É
Em setembro, indicador apresentou queda de 0,6% em relação a agosto; para indústria, definição do governo sobre política fiscal pode trazer retomada do crescimento.

O ritmo de queda no nível de emprego da indústria pode não se recuperar até o final do ano. O cenário negativo foi apontado pelo gerente-executivo de política econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, que divulgou nesta tarde a pesquisa de indicadores do setor. Em setembro, o recuo no nível de emprego foi de 0,6% na comparação com agosto - a sétima queda consecutiva em 2014. "Para o mercado de trabalho, a queda de 0.6% não é  uma queda trivial", disse. "O mercado de trabalho industrial mostra uma retração forte nos últimos meses, com um efeito carregamento de 0,7%", afirmou.

O mesmo se vê no quesito faturamento das empresas, que está com efeito de carregamento negativo em 1,9%, mesmo após a alt de 0,8% em setembro. Isto porque a pesquisa CNI registra um recuo do faturamento de 2,1% no acumulado dos nove meses de 2014, em relação ao mesmo intervalo de 2013. "O efeito carregamento do faturamento negativo de 1,9% no ano é uk quadro negativo que dificilmente será revertid", disse.

Diante do cenário de retração da atividade industrial, Castelo Branco manteve a previsão de crescimento do PIB em 0,3% para 2014. A projeção para o PIB industrial se manteve em uma queda de 2,2% para o ano. "Os últimos dados que fizemos não mostram uma revisão dessa direção", indicou.

O gerente de política econômica da CNI avaliou como necessário o anúncio no "curto prazo" do novo ministro da Fazendo do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff. "Há uma expectativa grande de que definições sejam dadas no curto prazo. O nome do ministro é uma indicação grande do consjunto de políticas que vamos ter para frente", avaliou.

Ele considerou como importante para uma retomada mais acelerada da economia uma sinalização clara de como o governo pretende melhorar a política fiscal a partir de 2014. Castelo Branco defendeu uma linha de atuação "que recoloque o País numa trajetória de reequilíbrio das contas públicas e da inflação, sem exigir tanto da política monetária", exercida pelo Banco Central. "É possível que, pelo lado da expectativa, isso acabe fazendo com que o ciclo de crescimento seja retomado antes do que possamos imaginar", afirmou.
Nenhum comentário foi encontrado para esta notícia.




LiveZilla Live Help

Tire suas dúvidas de forma rápida com nossos consultores!

Fale conosco!

Acompanhe todas as novidades do mundo da contabilidade.

Seu e-mail não será utilizado para envio de spam. Para mais informações, leia POLÍTICA DE PRIVACIDADE.

Vídeos

Veja mais vídeos acessando aqui através do nosso canal no YouTube.

2013 | Mirim Contábil | Assessoria e Consultoria
Desenvolvimento: Valore Marketing